Como desenhar um “brand identity” ou uma identidade de brand

Existe um processo para desenharmos ou pensarmos a identidade do brand. Muitas pessoas confundem identidade, brand e logo e esses conceitos precisam estar bem definidos antes de começarmos a desenvolver a “brand identity”.

O que é Brand?

Brand é um “set” ou conjunto de expectativas, memórias, histórias e relações, que juntas fazem toda diferença para a tomada de decisão do consumidor ao escolher um produto ou serviço. Então, como digo para os meus alunos, não é o desenho de sua marca que vai fazer diferença, mas o conjunto visual, simbólico e comunicativo que ela vai oferecer para o futuro usuário.

O que é Identidade?

Identidade são ferramentas visuais usadas para representar uma empresa. Podemos dizer que identidade é um sistema de “style guidelines” (guias de estilos) que servem para deixar a imagem da empresa consistente. A identidade é a manifestação gráfica de todo o conjunto do brand.

O que é Logo?

É o principal elemento que ajuda o usuário/consumidor descobrir, compartilhar e lembrar a marca da empresa. Geralmente ele é composto por ícones, tipos ou desenhos. Podemos dizer que o logo é o resumo da identidade e o resumo do brand em um único símbolo.

Agora que explicamos as nomenclaturas, como que seria o processo de “brand identity”?

Toda pergunta certa gera uma resposta certa, toda pergunta errada, gera uma resposta errada. Isso significa que quando vamos fazer uma pesquisa, temos que procurar por perguntas certas. Quando iremos fazer uma entrevista ou utilizar um briefing para coleta de dados, temos que utilizar as perguntas certas para não colhermos feedbacks errados. Portanto, existem 7 questões principais que devem ser perguntadas na entrevista de brand ou no Briefing do design:

1) Como sua marca é percebida perante seus concorrentes?

2) Qual a frase, declaração ou mote de posicionamento da sua marca?

3) Qual a herança do tipo do seu produto, origens e seus ingredientes de fabricação?

4) Qual a sua audiência? Onde a empresa tem contato com eles?

5) Quais os valores e crenças que a marca deve ter sobre seu negócio e missão no mundo? Eu gosto de incluir nessa pergunta as variáveis intangíveis da marca como por exemplo: cheiro, som, música, lendas que a marca possa a ter.

6) Quais os benefícios que os consumidores vão associar com sua marca?

7) Qual a mensagem principal que expressa o valor e o posicionamento da marca?

Existem outras perguntas que podem ser feitas, mas essas eu considero as mais importantes para a construção de uma marca.

Depois de pesquisar e colher todos esses dados, o próximo passo é a criação do logo, da identidade e o que chamamos de guidelines. Muitos designers começam com sketches e uma interação entre eles. Eles utilizam a parede como forma de visualizar as várias opções de sketches e possibilidades. Alguns possuem pranchas em seus escritórios, outros são mais informais e utilizam a parede como prancha. Ao terminar essa fase, o melhor conceito é escolhido e o terceiro passo começa com a digitalização da melhor ideia.

Em seguida, o quarto passo, é a construção dos estilos de guidelines, a criação de materiais que terá uma coesão visual e uma voz única para todos os materiais. É possível quando a marca tiver audiências muito particulares que essa voz ou estilo se apresente de uma maneira para um, e de outra, para outro segmento.

Mas o importante da criação do guidelines são as regras visuais que vão ser definidas nesta fase. A utilização do logo, as regras visuais em anúncios, o sistema de tipografia, cores, layout entre outros detalhes são definidos aqui.

Uma das últimas fases e que as empresas brasileiras começaram a se preocupar recentemente, é o que chamamos de Monitoramento e Rebranding. Essa fase tem origem nos crescentes métodos de design thinking e service design que estão sendo aplicados em pequenas e médias empresas. Esses métodos, trouxeram o que muitos especialistas de inovação chamam de validação. Nesta fase, os designers acompanham a interatividade da marca lançada, os feedbacks da identidade e começam a levantar dados sobre dificuldades e facilidades para a gestão dessa marca. É uma fase de diagnósticos e ao mesmo tempo de criação, pois soluções são pensadas para aplicar e reestruturar a marca.

Abraço e até o próximo post!

10+ anos de experiencia em marketing e branding com expertise em métodos como Design Thinking, UX, Personas Map, AI entre outras ferramentas estratégicas. Profissional criativo e versátil com experiência em implementar estratégias de marketing, design e conteúdo de branding para startups, media e high-growth empresas que apresentam atividades offline e online. Rodrigo já passou por empresas nacionais e internacionais, atendendo clientes como Netflix, Ross, South Bay Winery, Criar Sistema de Ensino de Lingua Portuguesa, Bio Soja, entre outros. Fundador da IESCD (Immaginare Escola de Criação e Design), hoje trabalha como free-lancer em Los Angeles, CA.

Deixe uma resposta