Mark Rothko por Sandra Sousa

Mark Rothko foi um pintor americano de origem Russa e foi para os Estados Unidos quando ele ainda era uma criança. Ele freqüentou faculdade de formação artística mas era essencialmente autodidata. Seu estilo absolutamente pessoal, fez dele uma das figuras principais do expressionismo abstrato, juntamente com B. Newman e S. Francis. Eles eram chamados de “campo de cores”.

Suas obras, geralmente grandes e agrupados em série, têm muito pouca variação composicional e consistem basicamente em retângulos de várias cores que ocorrem em paralelo de cima para baixo, com bordas ligeiramente irregulares em áreas de separação tonal.

Mas o mais interessante da maioria de suas obras é o tom de cinza que Rothko utiliza. Ele aplica a técnica do TOM ROMPIDO para encontrar o cinza que mais se enquadra dentro de sua obra. Não necessariamente ele utiliza as cores opostas ou complementares, mas qualquer cor que vai contrastar com a dominante que ele escolheu. Dentro desse critério ele cria uma paleta de cores em que o cinza, das combinação das cores escolhidas, surge. Ele é referência na aplicação dos tons rompidos.

Sandra Sousa é aluna da Tria Prima de Teoria das Cores e esse foi seu projeto de pesquisa sobre artistas que trabalham ou trabalhavam com a técnica de Tom Rompido.

10+ anos de experiencia em marketing e branding com expertise em métodos como Design Thinking, UX, Personas Map, AI entre outras ferramentas estratégicas. Profissional criativo e versátil com experiência em implementar estratégias de marketing, design e conteúdo de branding para startups, media e high-growth empresas que apresentam atividades offline e online. Rodrigo já passou por empresas nacionais e internacionais, atendendo clientes como Netflix, Ross, South Bay Winery, Criar Sistema de Ensino de Lingua Portuguesa, Bio Soja, entre outros. Fundador da IESCD (Immaginare Escola de Criação e Design), hoje trabalha como free-lancer em Los Angeles, CA.

Deixe uma resposta