O que vem depois da Prancha Criativa?

“E aí, professor, o que vem depois da prancha de seleção?”. Essa é uma pergunta recorrente que muitos alunos e aspirantes à designer fazem quando estão aprendendo o método ou aplicando em seu primeiro projeto. A resposta é simples e, ao mesmo tempo, difícil de entender, pois esse “depois”, na realidade, é a continuação do processo criativo utilizando as pranchas como frames.

Depois que você já teve algumas ideias e rabiscou um pouco em sua prancha de seleção, temos que por a mão na massa e começar a criar. Existem 3 caminhos para seguirmos quando queremos criar uma mensagem, uma marca, um ambiente ou até uma empresa utilizando os estudos da professora e designer Donis A. Dondis.

Formas de criar uma mensagem visual

 

Dondis indica três formas para conceituarmos nossos projetos: a forma representativa, abstrata ou simbólica, também conhecida como input visual. Esses três conceitos nos ajudam a dar consistência em nossa ideia de projeto e oferecem mais inspiração e elementos argumentativos para quando apresentarmos nosso projeto ao cliente.

A teoria da mensagem visual foi formulada por Dondis em seu livro Sintaxe da Linguagem Visual, em que ela explica que o design é uma mensagem visual que pode se apresentar de forma representativa, abstrata ou simbólica.

 

Abstrato

Os elementos não possuem uma hereditariedade de informação como no estilo de input, eles são independentes e cabe ao designer atribuir um significado para a mensagem na composição final dos elementos. Diferente do input que tem elementos para contar histórias e das mensagens representativas que são cópias do nosso cotidiano, as mensagens abstratas têm mais chances de ficarem mais originais e criativas.

 

Reinvention of the soul foi um trabalho feito por vários artistas  e você pode conferir o projeto todo e o estilo abstrato da mensagem no Behance.

 

Sunday é um outro projeto que os designers utilizaram o conceito de abstração na criação da mensagem visual. Confira o projeto todo no Behance.

 

Representativo

Aqui representamos a realidade objetiva e subjetiva. Tudo é representado da forma que vemos, sentimos ou de experiências que tivemos. Podemos ainda fazer representações subjetivas modificando as atribuições de elementos que vamos utilizar para nossa composição. Geralmente, são mensagens mais realistas e que muitas vezes são apresentadas de forma mais humorada e sarcástica dependendo da subjetividade aplicada em alguns elementos.

 

Angelenos foi um projeto feito por Kremer Johnson em que ele utiliza o conceito de representatividade na mensagem visual. Confira o projeto todo no Behance.

 

Input (Simbólico)

As mensagens criadas dentro desta esfera são baseadas em símbolos ou elementos com valor significativo importantes para os elementos que vão ser compostos. A fantasia é ativada de uma maneira coerente, real e que conecta com a ideia do projeto. Diferente da representativa e abstrata, o produto, a marca, o ambiente ou objeto vai nos transportar para um mundo particular e mágico.

 

Orchestre Symphonique de Québec foi um projeto feito pelo escritório IG2Boutique em que os designers utilizaram a técnica de Input Visual para a construção da mensagem visual. Confira no Behance o projeto todo.

 

Cobb Studio desenvolveu esse projeto de animação e design focando o estilo de input visual na estruturação da mensagem. Confira o projeto todo no Behance.

 

Então, depois da prancha de seleção é hora de você decidir qual caminho criativo seguir. Bom Projeto!

Você pode ir mais fundo no estudo das mensagens visuais e seus elementos fazendo nossos cursos de Linguagem Visual e Direção de Arte.

Se você gostou da nossa dica, cadastre-se e receba o link para nossa AULA GRATUITA de mensagem visual.

10+ anos de experiencia em marketing e branding com expertise em métodos como Design Thinking, UX, Personas Map, AI entre outras ferramentas estratégicas. Profissional criativo e versátil com experiência em implementar estratégias de marketing, design e conteúdo de branding para startups, media e high-growth empresas que apresentam atividades offline e online. Rodrigo já passou por empresas nacionais e internacionais, atendendo clientes como Netflix, Ross, South Bay Winery, Criar Sistema de Ensino de Lingua Portuguesa, Bio Soja, entre outros. Fundador da IESCD (Immaginare Escola de Criação e Design), hoje trabalha como free-lancer em Los Angeles, CA.

Deixe uma resposta